Newsletter Subscription

Receive news and special promotions notices

Sou eu

Lu Oliveira
Discs: MPB

In Stock

18,49 € tax incl.

Data sheet Discs

Seal Independiente
Style MPB
Original Edition Year 2013
Compilation No

More info

Lu Oliveira (voz)

Dirceu Leite (clarinete, flauta), Marcelo Martins (flauta), Zé Canuto (flauta, saxo alto), Zé Nogueira (saxo soprano, duduk, coros), Marcelo Martins (saxo tenor), Vander Nascimento (trompeta, flugelhorn), Aldivas Ayres (trombón), Leandro Braga (piano, arreglos), João Carlos Coutinho (piano, arreglos), Cristóvão Bastos (piano, arreglos), Ricardo Silveira (guitarras), Claudio Jorge (guitarra acústica), Zé Paulo Becker (guitarra de 10 cuerdas), Carlinhos 7 Cordas (guitarra de 7 cuerdas), Marcio Hulk (cavaquinho), Rômulo Gomes o Jorge Helder o Johnny Barreto (contrabajo), Jurim Moreira o Erivelton Silva (batería), Armando Marçal o André Rios (percusión), Marcos Apóstolo, Lizzie Bravo y Lucimar Santos Paulo (coros), David Chew y Iura Ranevsky (cello), conjunto de cuerdas y Arthur Verocai (arreglos).

Participación especial de: Zé Renato (voz, coros, producción) y Cello Samba Trio (Jaques Morelenbaum (cello, arreglos), Lula Galvão (guitarra eléctrica), Rafael Barata (batería)).



Edición en formato Digipack.

"Lu Oliveira decidiu batizar seu primeiro álbum, Sou eu, com o nome de grande samba do compositor, saxofonista e maestro pernambucano Moacir Santos (1926 - 2006). Letrado pelo compositor carioca Nei Lopes para ser gravado no álbum Ouro negro (Biscoito Fino, 2001), o samba Sou eu (Luanne) intitula e abre, com arranjo de Arthur Verocai, o disco desta boa cantora nascida em Niterói (RJ) em agosto de 1980, mas criada no Rio de Janeiro (RJ). É um belo cartão de visitas para a ex-publicitária que se assumiu cantora em 2010, mas o título Sou eu resulta inadequado para o disco de cantora cuja voz se ressente justamente de um traço de originalidade. Falta personalidade ao timbre e às interpretações de Lu Oliveira. Contudo, nem por isso Sou eu deixa de ser CD interessante. A sagaz seleção de repertório, a excelência da produção (capitaneada pelo cantor e compositor carioca Zé Renato) e os arranjos (confiados a músicos do primeiro time como o violoncelista Jaques Morelenbaum e os pianistas João Carlos Coutinho e Leandro Braga) valorizam o CD e atenuam essa ausência de personalidade que impede por ora a identificação de Lu Oliveira neste populoso país de cantoras. Feita essa ressalva, é justo dizer que Sou eu impressiona pela formatação requintada das 10 faixas, que gravitam em torno do samba. Afinada e segura, a cantora mostra como Delírio dos mortais é um dos melhores sambas de Djavan. Exaltação ao Rio de Janeiro (RJ), o samba passou despercebido ao ser lançado pelo compositor alagoano no álbum Matizes (2007), mas reluz novamente no registro de Lu. Antenada com a produção recente dos compositores brasileiros, a cantora acertou na seleção de repertório que foge dos hits. Tanto que o samba mais conhecido de Sou eu talvez seja Tenha pena de mim (Ai, ai, meu Deus) (Babaú e Cyro de Souza), lançado em 1938 pela cantora carioca Aracy de Almeida (1914 - 1988). Samba onírico que evoca a mãe África ao sonhar com a plena igualdade racial, Dia de graça (Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro) vai soar inédito porque foi lançado em grande, mas pouco ouvido (até pela distribuição irregular), álbum de Dori Caymmi, Mundo de dentro (2009). Em Sou eu, Dia de graça está alocado ao lado de outro samba em que o poeta Paulo César Pinheiro revolve a raiz africana do gênero, Baticum de samba, gravado por seu parceiro no tema, o compositor baiano Roque Ferreira, no CD Tem samba no mar (2004). A faixa pedia mais percussão, mais baticum, para evocar a força africana do samba. Pescadora de pérolas, Lu Oliveira também dá voz a bom samba de João Donato e Lysias Enio, Amor na estrelas, gravado em Aquarius (2009), disco dividido por Donato com Joyce Moreno. Parceria inédita do produtor Zé Renato com Pedro Luís, Paixão pelos ares se insere no universo do samba-canção em tom ligeiramente mais denso. Mais para o fim do álbum, Na ilha de Lia, no barco de Rosa (Meio-dia, meia-lua) - tema da trilha sonora do balé A dança da meia-lua (1988), composta por Edu Lobo com Chico Buarque - ganha lindo e sofisticado registro que reitera a real vocação de Lu Oliveira para o canto. Por mais que soe sem personalidade vocal neste álbum de estreia, Lu Oliveira é boa cantora que sabe garimpar repertório. Se souber delinear em futuros CDs traço mais marcante em suas interpretações, pode até vir a fazer diferença neste país de cantoras." Mauro Ferreira (Blog Notas Musicais, 20.07.2013)

Themes

CD 1
1
Sou eu (Luanne)
Moacir Santos - Nei Lopes
2
Baticum de samba
Roque Ferreira - Paulo César Ferreira
3
Dia de graça
Dori Caymmi - Paulo César Pinheiro
4
Tenha pena de mim (Ai, ai, meu Deus)
Babalú - Cyro de Souza
Lu Oliveira & Cello Samba Trio
5
Paixão pelos ares
Zé Renato - Pedro Luís
6
Amor nas estrelas
João Donato - Lysias Enio
7
Mulata
Mauricio Coutinho - Rui Aragão
Lu Oliveira & Zé Renato
8
Passou passou
Moacyr Luz - Rogério Batalha
9
Na ilha de LIa, no barco de Rosa (Meio-dia, meia-lua)
Edu Lobo - Francisco Buarque de Hollanda (Chico Buarque)
10
Delírio dos mortais
Djavan