Newsletter Subscription

Receive news and special promotions notices

Tradição improvisada

Nelson da Rabeca & Thomas Rohrer*
Discs: Folclore

In Stock

14,94 € tax incl.

Data sheet Discs

Seal Sesc SP
Style Folclore
Original Edition Year 2018
Compilation No
Instrumental

More info

Nelson da Rabeca (rabeca, cavaquinho), Thomas Rohrer (rabeca, saxo soprano)

Dona Benedita (voz), Célio Barros (rabecão, trompa), Panda Gianfratti (percusión), Cícero Alves (zabumba).

Edición en formato Digipack, que incluye libreto con 28 páginas ilustrado en color.

Nelson da Rabeca (Nelson dos Santos) (Joaquim Gomes, Aagoas, 1929) construyó su primera rabeca ya con cincuenta años de edad después de ver un violín en la televisión. De forma totalmente autodidacta fabrica, afina y toca sus instrumentos con tal pericia, que impresionó al músico suízo Thomas Rohrer, multiinstrumentista y compositor estudioso de la música improvisada, radicado en Brasil desde 1995, cuando el también músico y luthier gaúcho Zé Gomes (1938-2009) le presentó una de las piezas creadas por el admirable agricultor y cortador de caña alagoano.

El disco es un insólito encuentro entre la cultura popular y la música improvisada de vanguarda (como queda patente en temas como "Briga das rabecas" o "Improviso") que aprovechan el peculiar timbre áspero y métalico del instrumento.

"O encontro entre Thomas Rohrer, Seu Nelson da Rabeca e Benedita dos Santos se deu, antes de qualquer coisa, pelas rabecas produzidas por Nelson dos Santos. O instrumento, de timbre tão peculiar, permitiu que as sensibilidades musicais dos músicos de Alagoas e da Suíça começassem uma conversa.

A música chegou tarde para Nelson. Embora possua memória extensa do repertório da música popular executada no Alagoas, o instrumentista, compositor e luthier, voltou-se para as artes depois de décadas de trabalho penoso no corte de cana. Depois de se impressionar com o som do violino, pela televisão, ele decidiu reproduzir um instrumento de cordas, a ser tocado com arco. Descobriu como fabricar, afinar e tocar a rabeca por conta própria. Embora análogo, o instrumento de Nelson não soa uniforme como os das cordas da orquestra. Seu som tem um zumbido metálico. O rabequeiro deixa ranger as cordas e acorde após acorde, faz com que o som rouco emule harmonias que nos remetem às cantigas medievais, às cirandas e aos xotes dos cantores de rádio. O timbre é arranhado, mas o toque é festivo. Com mais de 50 anos de idade, o artista descobriu uma maneira de viver mais intensamente pela música. Faz tempo que ele é jovem desse jeito.

Esse som original, incontrolável, temperado de maneiras não convencionais, fez com que Thomas Rohrer se iniciasse na rabeca. Quando chegou no Brasil, o músico suíço não tocava mais o violino que aprendera na infância, tornara-se saxofonista de recursos infinitos. Dedicado à produção de música nova, ele fez da improvisação livre seu método principal. Para Rohrer, o improviso é um modo de evitar os cacoetes harmônicos tradicionais e buscar maior diálogo com outros procedimentos criativos. A sua música parece mais espontânea, aberta a novos sons, novas formas de tocar.

Conheceu a rabeca no fim da década de 1990, por meio de Zé Gomes, um dos músicos mais importantes do Brasil. O instrumento pôs Thomas em contato com timbres inusitados e um repertório rítmico saído do sertão nordestino. O som que lhe chamou a atenção foi o da rabeca de Seu Nelson. Quando pôde, Thomas Rohrer adquiriu um instrumento e se aproximou do rabequeiro de Marechal Deodoro (AL). Ali nasceu a colaboração musical que resultou em Tradição Improvisada. Infelizmente Zé Gomes, outro interlocutor dos dois músicos, não sobreviveu para participar do projeto.

Nesse disco, Nelson da Rabeca, Benedita dos Santos, Thomas Rohrer e Panda Gianfratti trabalham com sons ásperos. A voz e os instrumentos lembram o carro de boi, os gritos roucos do dia de trabalho, o atrito entre madeiras, metais e rochas. No entanto, o modo como esses sons são articulados dão a eles um tom de celebração, de alegria incontida, como se com aquele pouco a vida pudesse se tornar uma festa interminável. Em uma das faixas do disco, a partir de rangidos desencontrados, os músicos encontram uma progressão de acordes que nos lembra um trechinho de Cintura fina, de Luiz Gonzaga. Sons rudes vão estabelecendo contatos gentis, festivos, como se um convidasse outro a abrir a carranca e aproveitar a vida.

Aliás, são as letras de Benedita que melhor expressam esse esforço para encontrar uma canção que faça sentido para a vida de todos. Suas palavras musicadas são fundamentais no disco. Elas falam de amores que não pedem nada em troca, do encontro com maravilhas naturais e sobrenaturais e da felicidade que a música trouxe a ela e a Nelson. As músicas também são sobre encontros, amor e amizade. Um desses encontros é o da cultura popular com a improvisação livre: duas formas de resistir à homogeneização da música pela indústria cultural. Aqui, essas formas de arte dançam juntas no baile infinito de Nelson da Rabeca e Thomas Rohrer." Tiago Mesquita

Themes

CD 1
1
Fala seu Nelson
2
Rabequiê / Pense meu filho
Benedita dos Santos (Dona Benedita)
3
Saudade da rabeca
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca)
4
Caranguejo danado
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca)
5
Dança pé maneiro
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca)
6
Fala seu Nelson
7
Segredo das árvores / Vanessa
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca)
8
Segundo silêncio
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca)
9
Briga das rabecas
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca) - Thomas Rohrer - Antonio Panda Gianfratti
10
Forró maluco
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca)
11
Improviso
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca) - Thomas Rohrer - Antonio Panda Gianfratti - Célio Barros
12
Fala seu Nelson
13
Penerado
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca)
14
Pra você
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca)
15
Xaxa do forró / Fulô da palmeira
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca)
16
Peleja do forró
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca)
17
Saudade de viajar
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca)
18
Quem tiver dormindo acorde
Benedita dos Santos (Dona Benedita)
19
Deodoro
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca) - Thomas Rohrer - Antonio Panda Gianfratti - Célio Barros
20
As andorinhas
Alcino Alves - Rosa Quadros - Rossi Meridional
21
Cavaquinho do Nelson
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca)
22
Cajueiro pequeninho
Benedita dos Santos (Dona Benedita)
23
Obrigado seu Nelson
Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca)