Suscripción Newsletter

Recibe noticias y avisos de promociones especiales

Mal dos trópicos (Queda e ascenção de Orfeu da Consolação)

Thiago Pethit
Discos: Pop-Rock

Disponible

16,61 € impuestos inc.

Ficha técnica Discos

Sello Independiente
Estilo Pop-Rock
Año de Edición Original 2019

Más

Thiago Pethit (voz)

Diogo Strausz (guitarra acústica, bajo eléctrico, batería, percusión, arreglos), Zé Manoel (piano), conjunto de cuerdas y conjunto de vientos.

Participación especial de: Seis Canta (Raquel Bernardes, Everton Dantas, Wilson Alves, Paulla Zeferino, Aninha Ferrini y Amanda Temponi) (grupo vocal) y Samba Badé (percusión).

Edición en formato Digipack.

Brillante tercer álbum del cantante y compositor paulistano Thiago Pethit (São Paulo, SP, 1985) con imponentes arreglos orquestales de influencia cinematográfica firmados por el destacado joven productor Diogo Strausz.

"Um dos nomes artisticamente mais ambiciosos da populosa cena indie musical do Brasil, Thiago Pethit ascendeu a partir do segundo álbum, Estrela decadente (2012), disco sombrio em que o cantor e compositor paulistano aguçou e teatralizou a dor entre batidas de rock que preservaram o clima de cabaré em que foi ambientado o álbum anterior Berlim, Texas (2010).
Na rota existencial e marginal desse trovador dândi inicialmente movido pelo folk, o ponto culminante foi atingido com o terceiro álbum, Rock'n'roll sugar darling (2014). Pethit se iluminou neste disco sujo entre rocks e baladas que aproximaram o grupo pré-punk The Stooges de David Lynch através da chama acendida pelo pioneiro Elvis Presley (1935 – 1977).
Cinco anos depois, o artista ressurge com Mal dos trópicos (Queda e ascensão de Orfeu da Consolação), álbum produzido e orquestrado de forma grandiosa pelo carioca Diogo Strausz, transpõndo a tragédia do mito grego Orfeu para o cenário urbano e noturno da cidade de São Paulo (SP), palco efervescente da descida ao inferno existencial de um herói transmutado em ser de carne e osso, alvo de paixões mundanas.
O conceito é monumental como os arranjos de Strausz, idealizados e formatados com mix de referências e influências que vão das obras clássicas de Heitor Villa-Lobos (1887 – 1959) até as batidas de trip-hop, passando pelo jazz, pelo canto das óperas e pelo samba, ritmo que deu o mote da transformação anterior do mito grego reimaginado por Vinicius de Moraes (1913 – 1989) na década de 1950 como herói negro de favela carioca na peça Orfeu da Conceição (...)
Trata-se de disco em que o produtor soa mais imponente do que o cantor, amenizando a queda da obra do compositor. Mérito de Diogo Strausz, que confirma na formatação de Mal dos trópicos o talento singular como produtor evidenciado no segundo álbum de Alice Caymmi, Rainha dos raios (2014).
Pontos mais altos da atual safra autoral do compositor, a balada Orfeu (Thiago Pethit) e o samba Rio (Thiago Pethit), com o qual o cantor cai de bossa no universo musical que gerou a peça Orfeu da Conceição em 1954, atestam que, quando a suntuosidade orquestral é dosada sem anular a grandiosidade do arranjo, o ouvinte frui melhor a obra de Pethit, ainda que essa grandiosidade seja paradoxalmente providencial para amortizar a queda da qualidade do repertório (...)
No fim, tudo acaba literalmente em samba, com o toque da percussão de Badê remetendo à reinvenção de Orfeu por Vinicius de Moraes na música-título Mal dos trópicos, em cuja composição Pethit se valeu de colaboração póstuma com Roberto Piva (1937 – 2010), poeta paulistano jogado na vala dos malditos, e de link com Liana Padilha, poeta e cantora da banda NoPorn, inserida na parceria pela autoria da letra do poema falado da faixa.
O álbum Mal dos trópicos subverte o fim trágico de Orfeu. Transmutado em ser de carne e osso, o Orfeu da Consolação de Thiago Pethit sai do inferno e ascende, pelo sexo, ao céu dos amores profanos, pondo fim à saga de disco que merece atenção e que, se nem sempre ascende como Orfeu da Consolação, é porque o compositor nem sempre brilha na medida da grandeza do conceito, dos arranjos e da produção do álbum." Mauro Ferreira

Temas

CD 1
1
Abre-alas
Thiago Pethit - Diogo Strausz
2
Noite vazia
Thiago Pethit - Diogo Strausz
3
Me destrói
Thiago Pethit
4
Orfeu
Thiago Pethit
5
Teu homem
Thiago Pethit
6
Rio
Thiago Pethit
7
Nature boy
Eden Ahbez
Thiago Pethit & Seis Canta
8
Mal dos trópicos
Thiago Pethit - Liana Padilha
9
Samba de Orfeu (Mal dos trópicos instrumental)
Thiago Pethit
Thiago Pethit & Samba Badé