Suscripción Newsletter

Recibe noticias y avisos de promociones especiales

Cinzento

Marcos Valle
Discos: MPB

Próximamente disponible

16,61 € impuestos inc.

Ficha técnica Discos

Sello Deck
Estilo MPB
Año de Edición Original 2020

Más

Marcos Valle (voz, piano, piano eléctrico, órgano, teclados, sintetizadores, guitarra acústica, percusión, arreglos)

Jessé Sadoc jr. (metales), Paulinho Guitarra (guitarra eléctrica), Alberto Continentino (bajo), Renato "Massa" Calmon (batería, percusión).

Participación especial de: Emicida (voz), Patrícia Alvi (voz).

Edición en formato Digipack.

"Na foto da capa do álbum Cinzento, Marcos Valle parece rasgar o plástico que envolve o rosto jovial do artista de 76 anos. A imagem do fotógrafo Jorge Bispo simboliza a incapacidade deste cantor, compositor e músico carioca se aprisionar em ambientes e tempos nublados.
Álbum com 12 inéditas músicas de autoria de Valle, Cinzento é disco menos ensolarado do que o antecessor Sempre (2019), álbum calcado no ritmo, gravado em 2018 para o exterior.
Formatado pelo próprio Marcos Valle, com a colaboração fundamental de músicos como o baixista Alberto Continentino e o baterista Renato Massa Calmon, o groove do álbum Cinzento é no todo menos exuberante do que a batida do disco Sempre, mas nem por isso menos atraente. Contudo, no universo rítmico, não tem tempo ruim para esse compositor e músico descendente da dinastia ensolarada da Bossa Nova.
Em tese, Cinzento é disco sobre as nuvens que vem encobrindo o Brasil nos últimos anos. Mas o conceito se esvai à medida em que o tempo vai abrindo com os grooves e versos ouvidos ao longo das 12 músicas compostas por Valle, quase todas em 2019 e algumas com letristas de geração mais jovem.
Parceria com Domenico Lancellotti, o samba Pelo sim, pelo não – cantado por Valle com a adesão vocal de Patrícia Alví – evoca a leveza de ondas que se ergueram no mar da cidade do Rio de Janeiro (RJ) entre o fim dos anos 1950 e o início dos anos 1960, década em que o artista surgiu associado à Bossa Nova.
Marcos Valle se afastou dessa praia a partir da segunda metade da década de 1960 ao abrir o leque rítmico da obra autoral para transitar por outras ondas musicais sem perder de vista o horizonte carioca.
Principal cenário do balanço da bossa, esse horizonte contempla o Posto 9, pedaço outrora badalado da Praia de Ipanema saudado por Ronaldo Bastos nos versos que escreveu sobre a melodia da composição intitulado justamente Posto 9, originalmente um tema sem letra gravado por Marcos Valle no álbum instrumental Jet-samba (2005). O balanço da bossa é evocado na faixa com frescor.
Nem tudo contagia no álbum Cinzento. Músicas como Lugares distantes, Se proteja e Redescobrir – letradas por Alexandre Kassin, por Bem Gil e por Moreno Veloso, respectivamente – sinalizam que a safra autoral de Marcos Valle no disco é das menos sedutoras dos últimos álbuns, do ponto de vista melódico. O que justifica a lembrança de sambossa composto com Zélia Duncan em 2010, Rastros raros, até então inédito em disco.
Assim como no disco anterior Sempre, o balanço salva a pátria em Cinzento. O azeitado groove do tema instrumental Lamento no Rhodes – mais exteriorizado do que faz supor o título da composição de Valle – sobressai no disco ao lado de Reciclo, segunda parceria de Valle com Emicida.
A primeira, Cinzento, dá título ao álbum, traz a voz de Emicida e se destaca pela letra reflexiva em que o rapper expõe serenidade outonal ao sabor do vento e da resignação diante do fluxo ininterrupto e veloz da vida, assunto aliás de Reciclo.
Introduzida por toque soturno de piano, a gravação de Reciclo abre o disco e o tempo ao cair no suingue do refrão que embute os versos “Em tudo eu acho graça / Mesmo em meio à desgraça / Entendo e rendo graça / Que a vida ainda é de graça”.
O ritmo 7/8 do samba Só penso em jazz – letrado por Jorge Vercillo com versos quase metalinguísticos – reitera a força do balanço na obra de Valle em gravação bafejada pelo sopro do trompete de Jessé Sadoc.
Sem a influência do jazz, a canção Nada existe amplia a parceria de Marcos com o irmão Paulo Sérgio Valle – letrista dos maiores sucessos da obra do artista – com alto teor de romantismo.
No arremate do álbum Cinzento, o luminoso tema instrumental Sem palavras reitera a supremacia do ritmo no cancioneiro recente de Marcos Valle. E, quando se fala em groove, o tempo está sempre bom na obra geralmente ensolarada do criador de sambas e canções que resistem há mais de 50 verões." Mauro ferreira (g1.globo.com, 1.01.2020)

Temas

CD 1
01
Reciclo
Marcos Valle - Emicida
02
Se proteja
Marcos Valle - Bem Gil
03
Redescobrir
Marcos Valle - Moreno Veloso
04
Rastros raros
Marcos Valle - Zélia Duncan
05
Pelo sim, pelo não
Marcos Valle - Domenico Lancellotti
Marcos Valle & Patrícia Alvi
06
Lamento no rhodes (instrumental)
Marcos Valle
07
Cinzento
Marcos Valle - Emicida
Marcos Valle & Emicida
08
Nada existe
Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle
09
Posto 9
Marcos Valle - Ronaldo Bastos
10
Só penso em jazz
Marcos Valle - Jorge Vercillo
11
Lugares distantes
Marcos Valle - Kassin
12
Sem palavras (instrumental)
Marcos Valle