Suscripción Newsletter

Recibe noticias y avisos de promociones especiales

A arte de viver

Toquinho
Discos: MPB

Disponible

14,94 € impuestos inc.

Ficha técnica Discos

Sello Deck
Estilo MPB
Año de Edición Original 2020

Más

Toquinho (voz, guitarra acústica)

Diogo Gomes (trompeta), Felipe Pinaud (saxo, flauta), Marlon Sette (trombón, arreglos de vientos), Apollo 9 (armonio, salterio, clavecín, clavicordio, percusión, pads), Paulão 7 Cordas (guitarra de siete cuerdas), Thiago Silva (cavaquinho), Jorge Helder (contrabajo), Thiago da Serrinha (percusión), Felipe Ventura (violín, arreglos de cuerdas), Janeh Magalhães, Fael Magalhães, Cleyde Jane, Rômulo Nascimento y Wallace Lopes (coros), Rafael Ramos (programaciones, percusión, platos, producción).

Participación especial de: Maria Rita (voz), Paulo César Pinheiro (voz), Hamilton de Holanda (bandolim), Camilla Faustino (voz).

Edición en formato Digipack.

"Há um resto de esperança que ilumina a estrofe final de Tudo de novo, grande samba que encerra A arte de viver, primeiro álbum de músicas inéditas de Toquinho desde Quem viver verá (2011).
“Mas a paixão não se rendeu / Coração não se entregou / Que a união de quem sofreu / Faz a força contra a dor / E a aliança do plebeu é a queda o imperador”, canta o paulistano Antonio Pecci Filho, aos 76 anos, revertendo a má expectativa da letra nos versos finais deste samba gravado com a adesão vocal de Paulo César Pinheiro, parceiro de Toquinho em Tudo de novo e nas outras dez músicas inéditas ouvidas no disco ao longo de 29 minutos.
Lançado pela gravadora Deck na sexta-feira, 6 de novembro, em edição digital e também no formato de CD, o álbum A arte de viver amplia o repertório autoral desse cantor, compositor e violonista paulistano revelado nos anos 1960 e projetado na década de 1970 em dupla com Vinicius de Moraes (1913 – 1980).
Contudo, ao reeditar a parceria com Paulo César Pinheiro, obra que há 15 anos já rendeu o álbum Mosaico (2005), Toquinho oscila na criação do repertório letrado pelo compositor e poeta carioca. Na contramão de quase todos os álbuns, que geralmente começam bem e vão perdendo pique na medida em que as faixas avançam, A arte de viver roça a banalidade no início, quando Toquinho apresenta sambas com nível abaixo dos históricos do melodista e do poeta letrista.
Papo final (derradeira DR feita por Toquinho com Maria Rita), Mão de Orfeu – homenagem da dupla de compositores (com a adesão de Eduardo Gudin) ao violonista Baden Powell (1937 – 2000), parceiro de Pinheiro – e mesmo o samba-título A arte de viver (salvo pela estrofe “O mundo é um brinquedo / Pra quem merecer / Quem brinca com medo / Do seu desenredo / Não sente prazer”) fazem supor disco bastante irregular.
Mas eis que algumas joias de médio quilate reluzem ao longo do álbum. Encrustada entre esses sambas iniciais, a valsa Amor pequeno brilha com o toque luminoso do bandolim de Hamilton de Holanda.
A canção Roda da sorte – composição também assinada por Edu Sangirardi e cantada por Toquinho com Camilla Faustino – exibe coesão ainda maior entre música, letra, interpretação e arranjo, conduzido pelo violão de Toquinho, instrumento sobressalente no disco produzido por Rafael Ramos.
No giro oscilante da safra autoral, o samba Fato novo – tentativa dos compositores de soarem atuais com crônica política sobre os crimes cometidos por autoridades municipais, estaduais e federais – põe a roda para baixo.
Curiosamente, é quando dirige o olhar para o passado que o poeta geralmente resulta mais inspirado. Medieval é trova melodiosa que reaviva o canto dos menestréis da Idade Média.
Em Ousadia, composição também creditada a Anna Setton, Paulo César Pinheiro perfila cabrocha da Mangueira em letra que remete ao universo poético dos antigos sambas com toque de maxixe. Com rimas em “inha”, a modinha Rainha e rei evoca o universo imperial desse gênero já ancestral. A intervenção vocal de Camilla Faustino – na segunda (boa) participação da cantora no disco – valoriza a faixa.
Samba em tons menores, arranjado com sopros orquestrados por Marlon Sette, Quero ficar com você completa o repertório do álbum A arte de viver, corroborando a sensação de oscilação da atual safra autoral de Toquinho e Paulo César Pinheiro.
Se o coração do ouvinte não se entregar já nos momentos iniciais do disco, haverá encantos pelo caminho até o desenlace grandioso com Tudo de novo. É que Toquinho reverte expectativas na arte de fazer música com Paulo César Pinheiro." Mauro Ferreira (g1.globo.com, 09.11.2020)

Temas

CD 1
01
A arte de viver
Toquinho - Paulo César Pinheiro
02
Papo final
Toquinho - Paulo César Pinheiro
Toquinho & Maria Rita
03
Amor pequeno
Toquinho - Paulo César Pinheiro
Toquinho & Hamilton de Holanda
04
Mão de Orfeu
Eduardo Gudin - Toquinho - Paulo César Pinheiro
05
Roda de sorte
Toquinho - Paulo César Pinheiro - Edu Sangirardi
Toquinho & Camilla Faustino
06
Fato novo
Toquinho - Paulo César Pinheiro
07
Ousadia
Toquinho - Paulo César Pinheiro - Anna Setton
08
Rainha e rei
Toquinho - Paulo César Pinheiro
Toquinho & Camilla Faustino
09
Quero ficar com você
Toquinho - Paulo César Pinheiro
10
Medieval
Toquinho - Paulo César Pinheiro
11
Tudo de novo
Toquinho - Paulo César Pinheiro
Toquinho & Paulo César Pinheiro