Suscripción Newsletter

Recibe noticias y avisos de promociones especiales

Do meu jeito

Marilton Borges
Discos: Jazz / MPB

Disponible

16,61 € impuestos inc.

Ficha técnica Discos

Sello Independiente
Estilo Jazz / MPB
Año de Edición Original 2020
Instrumental

Más

Marilton Borges (piano, piano eléctrico, cuerdas, arreglos)

Ulisses Luciano (flugelhorn, trompeta), Chico Amaral (saxo soprano, saxo alto, saxo tenor, arreglos de metales), Alexandre Lopes (guitarra eléctrica), Adriano Campagnani (bajo, guitarra sint., arreglos), Milton Ramos o Ezequiel Lima (bajo), Pingo Ballona (batería, percusión, efectos, arreglos), Bill Lucas (percusión).

Participación especial de: Célio Balona (acordeón, órgano, teclados, sintetizador), Rodrigo Borges (guitarra acústica, voz).

"Marilton Fragoso Borges (Belo Horizonte, 31 de maio de 1943) é um pianista e compositor brasileiro. Um dos integrantes do movimento musical de artistas conhecido como Clube da Esquina. Tocou por muitos anos com Milton Nascimento. É irmão dos músicos Lô Borges, Márcio Borges, Telo Borges, Yé Borges, Nico Borges e Solange Borges.
“Sou uma espécie de Forrest Gump brasileiro”, diz o pianista, compositor, violonista, cantor e radialista Marilton Borges, de 76 anos. E morre de rir. Realmente. Assim como o personagem de Tom Hanks – testemunha de fatos marcantes do século 20 no longa de Robert Zemeckis–, esse mineiro participou de momentos históricos da MPB.
Só para começar a conversa, o primogênito dos Borges viu de perto o surgimento do Clube da Esquina, em Belo Horizonte. Foi ele quem apresentou Milton Nascimento aos pais e aos irmãos, no Edifício Levy, onde moravam sua família e também Bituca – esse numa pensão. Naquela época, Milton, Marilton e Wagner Tiso formaram o grupo Evolusamba. Detalhe: ainda nos anos 1960, Marilton foi o primeiro a cantar em público a canção Clube da Esquina, bem antes do lançamento, em 1972, do icônico álbum duplo que ela batizaria. Isso ocorreu num festival realizado na capital mineira.
A carreira artística começou ainda na adolescência. Ele se mudou para o Rio de Janeiro, onde tocou com Osmar Milito, nome respeitado do jazz e da bossa nova, no Quarteto Forma. Na banda de Milito havia um jovem alagoano que acabara de chegar à Cidade Maravilhosa, chamado Djavan, a quem o mineiro deu dicas de violão.
Em 1972, Marilton era backing vocal de Maria Alcina quando ela arrebatou o Maracanãzinho com Fio Maravilha, de Jorge Ben, a vencedora do Festival Internacional da Canção (FIC). Também integrou a Turma da Pilantragem, grupo que fez história com sua música suingada, a cara dos anos 1960. Convidado por João Araújo, pai de Cazuza, trabalhou na Som Livre, gravadora que ajudou a fundar.
O mineiro se apresentou em casas famosas da noite carioca, como a 706, no Leblon, e a Number One, em Ipanema. Voltou para Minas em 1978, para ajudar o pai, Salomão Borges, a cuidar da mãe, dona Maricota, com problemas de saúde. Em BH, participou de um momento importante do rádio mineiro: a Brasileiríssima, novo projeto da Inconfidência, emissora do governo do estado que passou a se dedicar exclusivamente à música brasileira. Foi um marco, pois praticamente só se ouvia inglês nas FMs. Ao lado de Claudinê Albertini, apresentou o programa Boca livre.
Um dos nomes mais conhecidos da noite de Belo Horizonte, Marilton adorava fazer bailes, tocar para as pessoas dançarem. Muito jovem, costumava “inventar” letras em inglês, pois não sabia a língua. Entre suas muitas histórias, o “Forrest Gump” faz questão de destacar o orgulho de começar a trabalhar aos 14 anos, “entregando telegramas para os Correios”. Aos 9, enchia garrafas de água e as enfileirava no murinho de sua casa, em Santa Tereza. Usando garfo e colher, “tocava” várias canções e impressionava quem passava na rua.
Vocalista das bandas Gemini VII e de Gilberto Santana – que fizeram história nos bailes da vida noturna de BH –, Marilton deixou de cantar há algum tempo. Mas o pianista continua na ativa. Às sextas-feiras, ele se apresenta com o filho, Rodrigo Borges, no Bar do Museu Clube da Esquina, em Santa Tereza. No próximo dia 31 de dezembro, ele será uma das atrações do Réveillon 2020 – Nada será como antes, convidado da Banda Equatorial.
Do meu jeito é o nome do álbum que o compositor acaba de lançar, com 10 faixas autorais. Produzido por Pingo Ballona – filho de Célio Balona, outra lenda da noite de BH –, o disco foi gravado no Studio Murillo Corrêa, na capital mineira com um time de craques.
Marilton lamenta não poder cantar em seu disco, mas está feliz porque o filho Rodrigo o substituiu ao microfone. “Fumei muito e trabalhei como radialista por vários anos. A voz foi embora”, diz. O novo projeto, ressalta, é fruto de muito capricho. “O CD ficou bonito, bem executado e, modéstia à parte, as canções são lindas, feitas ao longo de meus mais de 50 anos de carreira.”
Bancado pelo baterista Pingo Ballona, o álbum é, antes de tudo, fruto da amizade. “Pingo sugeriu produzir um disco meu. Falei que ficava muito caro, mas ele afirmou que seria um presente, pois custearia todas as despesas. Era uma forma de agradecer por tudo que fiz por ele em sua trajetória musical. Fiquei bastante comovido e emocionado com esse gesto. Lembrei-me daquele ditado: gentileza gera gentileza. Minha gratidão é eterna”, afirma Marilton.
Ao chegar ao estúdio de Murillo Corrêa para gravar, ele perguntou a Pingo quais seriam os parâmetros do projeto. “Os parâmetros são o seu coração”, ouviu do produtor. “E aí começou tudo. Adorei ter regravado O carona. Gosto muito dessa canção, gravada por Gonzaguinha no disco Os Borges”, conta. Lançado em 1980, o LP reunia criações de Marilton e família – os irmãos Márcio, Lô, Nico, Solange, Yé e Telo, além de Duca Leal, na época mulher de Márcio.
Convidados ilustres participaram do projeto, além de Gonzaguinha. Milton Nascimento cantou Pros meninos (de Nico Borges e Duca Leal). Elis Regina deu show em Outro cais, parceria de Marilton e Duca – homenagem a Bituca, considerado o 12º filho da família Borges.
Marilton dedicou Do meu jeito a pessoas importantes de sua vida. “Fiz questão de homenagear meus pais, minha mulher, meus filhos, todos os meus irmãos, Célio Balona, Suzana e Bob Tostes, com quem trabalhei por muito tempo. Se tivesse jeito, homenagearia também todo mundo que me ajudou e ainda ajuda nessa tarefa árdua de ser músico”, afirma.
Até o Automóvel Clube, onde ele se apresentou várias vezes durante todos esses anos, ganhou uma canção. “Fiz um disco do coração, mesmo. Agora planejo colocar o repertório nas plataformas digitais, um single de cada vez. Em 2020, vamos fazer o show de lançamento”, conta ele.
A faixa 48th Street já está no YouTube. “É homenagem à rua de Nova York onde comprei o meu primeiro teclado decente, vamos assim dizer. Aliás, toquei piano em todas as faixas do disco”, conta Marilton Borges." Augusto Pio (Estado de Minas, 24.12.2019)

Temas

CD 1
01
5 de novembro
Marilton Borges
02
48th Street
Marilton Borges
03
Das águas
Marilton Borges - Célio Balona
Marilton Borges & Célio Balona
04
Bob & Suzie
Marilton Borges
05
Longa estrada
Marilton Borges
06
Automóvel Clube
Marilton Borges
07
Aos manos
Marilton Borges
08
Carona
Marilton Borges
09
Happy hour
Marilton Borges
10
Ponta Cabeça (bonus)
Marilton Borges - Murilo Antunes
Marilton Borges & Rodrigo Borges