Suscripción Newsletter

Recibe noticias y avisos de promociones especiales

Rio aberto

Makely Ka
Discos: Caipira

Disponible

16,61 € impuestos inc.

Ficha técnica Discos

Sello Kuarup
Estilo Caipira
Año de Edición Original 2022
Instrumental

Más

Makely Ka (viola caipira de 10 cuerdas, viola dinámica, craviola de 12 cuerdas)

Gustavo Souza (guitarra acústica), Rodrigo Quintela o Paulim sartori (contrabajo), Felipe José (cello), Avelar Jr. (arreglos de cuerdas).

Edición en formato Digipack.

"Nascido no Piauí, precisamente em Valença do Piauí (PI), município onde veio ao mundo em setembro de 1975, Makely Ka é compositor, poeta, cantor e violonista que decidiu explorar a sonoridade da viola de dez cordas no álbum instrumental Rio aberto.
No disco, Makely segue os cursos dos rios que visitou em rota que o levou aos sertões mineiro e baiano a partir de viagem pelo Vale do Urucuia, situado no noroeste do estado de Minas Gerais. O álbum Rio aberto alude no título à afinação “sol aberto”, usada pelos violeiros da região e apelidada de “rio abaixo”.
Tributo de Makely a músicos como Almir Sater, Heraldo do Monte, Ivan Vilela, Renato Andrade (1932 – 2005) e Tavinho Moura, todos de notória habilidade no toque da viola, o disco Rio aberto integra a Trilogia dos sertões.
Tavinho Moura, a propósito, é o autor do único tema gravado por Makely fora do curso autoral do artista piauiense, Encontro das águas, composição lançada no toque de Almir Sater em disco instrumental de 1990.
Das 13 músicas que compõem o repertório do álbum Rio aberto, doze são autorais, tendo sido batizadas com nomes de cursos d’água que conectam elementos da geografia, da história e da literatura do Brasil, ligando, por exemplo, o grande sertão de Guimarães Rosa (1908 – 1967) aos sertões de Euclides da Cunha (1866 – 1909) em rota que abarca o universo mítico do menestrel baiano Elomar.
Dez dessas doze músicas – Carinhanha, Jequitaí, Paracatu, Paraopeba e Urucuia, entre outras cinco – carregam nomes de afluentes do Rio São Francisco. As outras duas, Doce e Vaza-Barris, se referem a rios que desaguam direto no mar.
Uns e outros são rios que trançam o coração do Brasil sintetizado no disco Rio aberto no toque das dez cordas da viola de Makely Ka.
O álbum Rio aberto é o segundo título da Trilogia dos sertões, iniciada há oito anos pelo artista com o disco Cavalo motor (2014) e prevista para ser finalizada em data ainda incerta com o álbum Triste entrópico." Mauro Ferreira (g1.globo.com, 21.04.2022)

Temas

CD 1
01
Batistério
Makely Ka
02
Paracatu
Makely Ka
03
Urucuia
Makely Ka
04
Jequitaí
Makely Ka
05
Paraopeba
Makely Ka
06
Carinhanha
Makely Ka
07
Rio do sono
Makely Ka
08
Das velhas
Makely Ka
09
Verde grande
Makely Ka
10
Pardo
Makely Ka
11
Doce
Makely Ka
12
Vaza-barris
Makely Ka
13
Encontro das águas
Tavinho Moura