Suscripción Newsletter

Recibe noticias y avisos de promociones especiales

Concerto de cordas & Máquinas de ritmos

Gilberto Gil
Dvds: MPB

Disponible

21,28 € impuestos inc.

Ficha técnica Dvds

Sello Biscoito Fino
Estilo MPB
Año de Edición Original 2012
Concierto

Más

Gilberto Gil (voz, guitarra acústica)

Jaques Morelembaum (cello, producción), Bem Gil (guitarra), Nicola Krassik (violín), Gustavo Di Dalva (percusión), Eduardo Manso (efectos electrónicos) y Orquestra Sinfónica Petrobras (dirigida por Carlos Prazeres y Jaques Morelenbaum).

Grabado "ao vivo" en el Theatro Municipal do Río de Janeiro, el 28 de mayo de 2012.

Idioma:   Portugués.
Subtítulos en Portugués, Inglés y Español.
Extras: Making of (35')
Duración total aproximada:    100'

Región 0 (DVD sin restricciones de zona: de uso mundial)
Sistema de color:   NTSC
Sonido:   Dolby Digital 2.0 + Dolby Digital 5.1
Formato de pantalla:    16:9

Para el ciclo de conciertos "MPB & Jazz" programado por el Teatro Municipal de Rio de Janeiro el gran cantautor bahiano presentó este brillante espectáculo en el que recrea su obra con sensibilidad y sofisticación, entre la tradición y la vanguardia, acompañado ya sea por orquesta sinfónica o por efectos electrónicos. Este DVD presenta los 21 temas del show incluyendo clásicos propios ("Eu vim da Bahia", "Futurível", "Domingo no parque",...) y ajenos, brasileños (Dorival Caymmi, Luiz Gonzaga y Tom Jobim) e internacionales (Jimi Hendrix y Osvaldo Farrés), y el inédito "Eu Descobri".

"Com ou sem a engrenagem sinfônica da Orquestra Petrobrás, a máquina de ritmos de Gilberto Gil - em atividade ininterrupta há 50 anos - funcionou muito bem na gravação ao vivo do espetáculo Gilberto Gil Sinfônico - Concerto de Cordas e Máquinas de Ritmo. Feito para edição em CD ao vivo e em  DVD filmado sob a direção do Andrucha Waddington, o registro do concerto aconteceu em apresentação aberta ao público no Theatro Municipal do Rio de Janeiro (RJ) na noite de ontem, 28 de maio de 2012. Autossuficiente, a máquina rítmica do artista mostrou que nem precisa de tanto aparato quando, a sós com seu violão, Gil extraiu sons percussivos do instrumento e esboçou soturno registro vocal para tocar nas questões transcendentais da letra da canção Não Tenho Medo da Morte (Gilberto Gil), um dos números mais sedutores do roteiro que enfileirou 21 músicas de lavra própria e alheia. Aliás, até a máquina vocal - que andou dando sinais de desgaste nos últimos anos - estava azeitada, viçosa. Ao longo de duas horas de concerto, o cantor alternou números feitos somente com sua Banda Quatro - Bem Gil (violão), Gustavo Di Dalva (percussão), Jaques Morelenbaum (violoncelo) e Nicolas Krassik (violino), quarteto ao qual se juntou em cena Eduardo Manso, responsável pelos (sutis) efeitos eletrônicos - e outros feitos com a adição da Orquestra Petrobrás Sinfônica, todos apresentados sob a direção musical do próprio Gil e sob as regências (também alternadas) dos maestros Carlos Prazeres e Jaques Morelenbaum. Dos números orquestrais, o maior destaque foi Domingo no Parque (Gilberto Gil), revivido com arranjo introduzido pelo berimbau de Gustavo Di Dalva. A majestosa orquestração de Jaques Morelenbaum aproveitou bem as cordas da Sinfônica ao mesmo tempo em que preservou a pulsação original da música de 1967 e reverenciou o antológico arranjo (de natureza já orquestral) criado pelo maestro tropicalista Rogério Duprat (1932 - 2006). Houve ecos das orquestrações de Duprat também no arranjo de Panis et Circensis (Gilberto Gil e Caetano Veloso), outro tema emblemático da era tropicalista. E cabe ressaltar que o arranjo orquestral de La Renaissance Africaine (Gilberto Gil) também foi show à parte no espetáculo programado dentro da série MPB & Jazz, criada por Giselle Goldoni Tiso e Wagner Tiso. Em roteiro corajoso, Gil evitou redundâncias e, em vez de enfileirar hits, optou por revisitar canções autorais de menor empatia popular como Quanta (Gilberto Gil) - faixa-título do álbum duplo editado em 1997 - e Futurível (Gilberto Gil), uma das quatro músicas que compôs na prisão, em 1969, como o cantor contou ao público. Fora da seara autoral, Gil celebrou compositores cujas obras prepararam o terreno para a arquitetura da música popular brasileira e para que ele, Gilberto Gil, erguesse sua própria construção, de proporções monumentais no universo da MPB. Do seminal Dorival Caymmi (1914 - 2008), Gil caiu no samba Saudade da Bahia (1957) com manemolência diluída pela própria natureza do arranjo orquestral. Do centenário Luiz Gonzaga (1912 - 1989), compositor cuja obra é um dos sustentáculos da música popular brasileira, Gil pescou Juazeiro (1949), baião da lavra inicial da parceria do mestre Lua com Humberto Teixeira (1915 - 1979). De Antonio Carlos Jobim (1927 - 1994), outro compositor-base, Gil escolheu lindo samba da fase pré-Bossa Nova,  Outra Vez, de 1954. Mas a bossa, de certa forma, esteve representada na alma de várias canções e, por vias indiretas, no bis, quando o cantor tocou choro instrumental de 1997, Um Abraço no João, composto por Gil com inspiração em Um Abraço no Bonfá (1960), tema da lavra do papa do gênero, João Gilberto, tributado no choro de Gil. Coerente com o espírito globalizado de sua obra tropicalista, o cantor extrapolou as fronteiras brasileiras e inseriu também no roteiro tema de Jimi Hendrix (1942 - 1970) - Up From The Skies, música lançada pelo trio The Jimi Hendrix Experience em seu segundo álbum, Axis: Bold as Love (1967), que não funcionou bem na máquina de ritmo de Gil - e bolero de lavra refinada do compositor cubano Osvaldo Ferrés (1903 - 1985), Tres Palabras, envolto de forma mais clássica na moldura sinfônica. Somente com o acionamento das máquinas de ritmos da banda de Gil, o Expresso 2222 circulou vibrante, elétrico, eletrônico, já no bloco final, quando Andar com Fé (Gilberto Gil) caminhou bem com o arranjo orquestral e com as palmas do público, reiterando o êxito do concerto sinfônico de Gilberto Gil. Já à beira dos 70 anos, o artista ainda cruza o tempo com maestria." Mauro Ferreira (Blog Notas Musicais, 29.05.2020)

Temas

DVD 1
01
Máquina de ritmo
Gilberto Gil
02
Eu vim da Bahia
Gilberto Gil
03
Domingo no parque
Gilberto Gil
04
Estrela
Gilberto Gil
05
Quatro coisas
Gilberto Gil
06
Quanta
Gilberto Gil
07
Futurível
Gilberto Gil
08
Eu descobri
Gilberto Gil
09
Saudade da Bahia
Dorival Caymmi
10
Outra vez
Antonio Carlos Jobim (Tom Jobim)
11
Não tenho medo da morte
Gilberto Gil
12
Lamento sertanejo
Dominguinhos - Gilberto Gil
13
Juazeiro
Luiz Gonzaga - Humberto Teixeira
14
Up from the skies
Jimi Hendrix
15
Tres palabras
Osvaldo Farrés
16
La renaissance africaine
Gilberto Gil
17
Panis et circenses
Caetano Veloso - Gilberto Gil
18
Oriente
Gilberto Gil
19
Expresso 2222
Gilberto Gil
20
Andar com fé
Gilberto Gil
21
Um abraço no João
Gilberto Gil